3.8.14

cesárea eletiva temática e quartinho inspiração para a leitora grávida

Eu não sei o que acontece, mas o Limo Bag tem uma quantidade IMENSA de leitoras que são arquitetas, designers ou estilistas! É impressionante! Estou achando que precisamos trocar a cadeira de Sociologia no ensino médio por História da Arte. Muito mais útil! Quanto menos conhecemos o que já foi produzido de arte linda nesse mundo, mais compramos loucamente, seguindo modas e tendências que só servem para descapitalizar. É incrível a ligação.

A leitora Fernanda Duarte, à espera de uma menina, fez um comentário muito maravilhoso aqui nesse post. Destaco esse trecho:


"'Como vai ser o quartinho? Qual o tema?' e a minha resposta: 'Não tem tema! Não tem bailarinas, não tem quadrinho de ursinho! O quarto vai ser cinza, pink e amarelo com referência à literatura, cinema, moda e arquitetura!' kkkkk Imagina a cara das pessoas? Mas gente minha filha é tão especial, que não posso padronizar a vida dela! E ela é filha de dois arquitetos, impossível tudo ser igual a todos, né? E ainda ressalto que o quartinho dela vai ficar muito, mas muito mais barato do que os quartos receitas de bolo."

Eu fiz a burrice de encomendar o tema "ursinhos" para o quarto do meu filho Samuel (me sentindo contrariada, confesso!), então vou ainda mais longe. Quem disse que fazer um quarto para o bebê é o ideal? O melhor para a nossa família, nem sempre é da forma que planejamos. Crianças são diferentes e receitas de bolo não servem mesmo! Acontece muito dos pais se revezarem para dormir no quarto dos filhos (em um colchão no chão ou na cama auxiliar), numa qualidade de vida questionável, justamente por acreditarem nisso: que o melhor para as crianças é ter um quarto minimamente planejado para elas, com tema, de preferência. Não faz sentindo nenhum esse tipo de coisa! O filho pode nascer e não querer dormir sem os pais. É natural e normal na infância, especialmente nos primeiros anos de vida.

Cuidado, muito cuidado ao seguir a moda e o padrão de comportamento das mamães da nova década. Você poderá se tornar a pessoa mais frustrada do mundo, se sentindo incapaz de agendar todos os eventos simultâneos que a indústria impõe ao nascimento do seu bebê! Eu não estou brincando! Se você seguir a padronização atual, vai precisar mandar um e-mail para a Conceição Bem-casados assim que a sua bolsa estourar, porque seu "evento" não pode ficar sem o melhor bem-nascido do Brasil! Usará o Whatsapp para chamar a fotógrafa para o parto e a decoradora do "cenário maternidade", e, por último, telefonará para médico porque ele precisa correr para o centro cirúrgico, afinal parto normal é anormal e você não quer sentir essa dor louca por horas ou correr o risco de enfrentar um médico plantonista. E se você não quiser se preocupar com nada disso, mas ao mesmo tempo TER todas essas coisas, contrate uma "concierge maternidade", porque dinheiro compra tuuuuudo nessa vida, até mesmo uma cesárea eletiva temática.

As perguntas (com entonação de reprovação) das que seguem a vida como gado, invariavelmente são nesse nível de superficialidade:

Você não vai (grávida e de classe econômica) para o Estados Unidos da América fazer o enxoval do seu filho? Vai usar um carrinho de bebê que foi do seu sobrinho? O quarto do seu filhote não tem tema? As lembrancinhas de maternidade são chaveirinhos fofos (e pobres) de feltro? Não fez sessão de fotos da gravidez? Não agendou e não quer ensaio newborn para o seu filho? Não vai ter roupinha de linha (caríssima) e nem "saída de maternidade"? Não encomendou a "porta de maternidade"?  E como assim o bebê não tem data para nascer? Que espécie de mãe você é, querida?
.
ÍNDIA.
.
Muitas vezes é melhor não contarmos nada do que estamos deixando de planejar e comprar para os nossos filhos, afinal esse lifestyle só é aceitável para as índias que moram numa reserva longínqua, num lugar onde ninguém merece colocar os pés.

E numa boa conversa de índia para índia, querida Fernanda, segue esse cantinho lindo e cheio de cuidados que a estilista Dulci, que escreve o blog Lar Dulci Lar, fez (e costurou) para a sua filha Melina. Ela escolheu o berço da Tok&Stok que é um modelo que parece bem com esse da Ikea. Ambos ocupam pouco espaço e não possuem a perigosa e proibida grade móvel!







É maravilhoso esticar o braço e pegar o bebê para amamentar, sem precisar percorrer o caminho até o quarto da criança na madrugada. Não vejo muita lógica em deixar o berço em outro quarto enquanto o bebê dorme no carrinho no quarto dos pais, ou num moisés. Ambos circulam pouco ar e são confinados!  Enfim, muita complicação, gastos extras  e mais trabalho para manter tudo limpo e organizado.

Só mais uma informação: está comprovadíssimo que o kit berço é um enorme perigo para o bebê. Mais um item desnecessário, caro e que pode matar.

No fim das contas, é mais fácil acertar quando ocorre uma economia de tempo e dinheiro na chegada dos filhos. Que ironia!

Atualização

Uma leitora (também arquiteta) comentou que no Hospital Madre Theodora, em Campinas, são disponibilizadas salas com sofás e televisões para as famílias assistirem os partos ao vivo! Como se não bastasse tudo isso, os pais convidam para essa sala 40 pessoas, com direito a decoração, buffet e garçom. GARÇOM NA CESÁREA ELETIVA TEMÁTICA!!!! A índia aqui acabou de desmaiar...


Um agradecimento

Eu dei muita risada essa semana por conta dessa vida de blogueira. O blog está com acesso recorde. Só o post da Ivanka rendeu mais de 25.000 visualizações e dezenas de mensagens de apoio por e-mail e Facebook. Muito obrigada por você ter vindo aqui, afinal o Limo Bag existe desde 2008, mas nunca tive uma repercussão tão grande!

8 comentários:

  1. opa, arquitetas: PRESENTE! hahaha!!! acho que estamos em peso aqui pq, bem ou mal, estamos ligadas à imagem, e às vezes, ou quase sempre, sabemos que MENOS É MAIS!
    e seu blog é demais! inspiração do começo ao fim!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahahahahaha, você também, Thaty? Mais uma para a turma! :)
      Obrigada, arquiteta! Volte sempre! :*

      Excluir
  2. Eu acho uma imensa palhaçada primeiro o tal concierge de maternidade EXISTIR, depois alguém CONTRATAR uma coisa dessa. DUVIDO que qualquer hospital nos EUA ou Europa permita tamanha bizarrice. Tenho uma amiga que teve bebê recentemente em Paris, e ela não podia sequer levar as roupinhas de casa, somente a de sair da maternidade - pelo risco de infecção que implica usar algo que veio da casa da fulana no bebê que vai compartilhar o espaço com outras crianças. Quando eu tive meus filhos na casa de Saúde Campinas (em 96 e 99) as roupinhas também eram de lá, e não podia oba-oba no quarto - quer fazer festa, faz em casa, é claro!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ione, não é só em Paris, não! Aqui em Londrina, na maternidade municipal, você só pode levar um pacote de fralda e uma única roupa para o bebê sair do hospital! Mais nada! Eles usam uma roupinha esterilizada rosa para as meninas, e azul para os meninos. Acredito que essa seja a prática de MUITAS maternidades públicas. Também penso que em casa é problema seu, mas levar uma caravana para o Hospital é coisa de louco. E o Hospital permitir? ABSURDO! E a moda nova de levar até o lençol bordado para o hospital? Tudo para foto! Imagem acima da saúde.
      Sobre o concierge, ele só existe porque o protocolo de "estréia" do bebê se tornou enooooorme! Um futilidade que escraviza ao extremo!

      Um beijo!

      Excluir
  3. Até fiz lembrancinhas para meus filhos, e para as visitas sempre tinha um bolo assadinho na hora, com café ou chocolate quente, mas NA MINHA CASA!!! Para os padrões atuais, minhas ideias são absolutamente franciscanas...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Padrão atual é escravidão, não é bênção.

      Excluir
  4. Meu Deus! E não sabia do parto ao vivo!

    Quando estava grávida eu entrava em pânico só de imaginar a família inteira na sala de espera... e isso pq não existia a possibilidade deles assistirem o parto!

    Para minha felicidade, entrei em trabalho de parto no começo da madrugada. Meu enino nasceu às 4:04h e a família foi avisada lá pelas 6h, quando eu já estava até no quarto. Foi uma tranquilidade só. O hospital estava vazio naquele horário, nenhum outro bebê nascendo naquelas hora!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha, parece que isso é suuuuuper comum em São Paulo! O pessoal chama de Cine Parto! Eu também não sabia. A moda ainda não chegou aqui no Paraná, Débora.

      Que maravilha de parto! Você foi muuuuuito abençoada! ♥ ♥ ♥

      Um beijo!

      Excluir