13.10.12

pastel colors no batizado (sem tema extra!)

Eu bato nessa tecla trilhões de vezes e não me canso nunca: a vida é um tema por si só. Agora que meu filho já tem quase 3 anos (ai, como cresceu!), compreendo menos ainda essa loucura por festas absolutamente temáticas. Perguntei há 2 semanas para o Samuel o que ele quer no aniversário dele:

"Mamãe, eu quero soprar fogo no bolo de chocolate."

Simples assim!

Não sei o que me incomoda mais: os personagens falsificados no computador e impressos milhões de vezes sem recolhimento dos devidos direitos autorais, ou os valores absurdos aplicados nesses eventos nababescos. Eu até penso que a segunda situação, que nem sempre é somada à primeira, me preocupa com mais intensidade. Os pais determinam um alto padrão de consumo na vida dessas crianças e criam tanta expectativa em relação ao futuro do pequeno! Não acho isso saudável... nem um pouco, na verdade.

Algumas profissionais no Brasil (poucas, infelizmente!), estão bem empenhadas em fazer festinhas mais equilibradas, com um conceito mais leve, extremamente lúdico. A criativa Tammy Montagna, de São Paulo, é uma norte-americana que luta muito contra a onda consumista e consegue um sucesso tremendo!

Veja que coisa mais perfeita esse batizado! Fiquei impressionadíssima com o impacto das fitas presas aos galhos da árvore e que serão utilizadas novamente nas mais diversas aplicações.

O toque naïf maravilhoso está presente no enfeite do bolo, viram? Ah, e essas miçangas douradas no brigadeiro? : )

Achei de uma criatividade imensa esses brigadeiros boleados com palito. Ela usou coco ralado colorido com anilina: prestem atenção na beleza disso!

Chega de consumismo na infância! Esse mal deveria estar bem longe da vida dos nossos filhos.

Um beijo, meninas!


11 comentários:

  1. Luana,
    como disse antes, o Pedro me pediu uma festa de dinossauros, primeiro me desesperei, depois comprei uns pacotinhos com meia duzia de diossauros e pronto, a festa é a mesma só que espalharei dinossauros e amendoas confeitadas(ovinhos), pela mesa. Simples assim.

    Bjs
    Magda

    ResponderExcluir
  2. Luana,
    como disse antes, o Pedro me pediu uma festa de dinossauros, primeiro me desesperei, depois comprei uns pacotinhos com meia duzia de diossauros e pronto, a festa é a mesma só que espalharei dinossauros e amendoas confeitadas(ovinhos), pela mesa. Simples assim.

    Bjs
    Magda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Magda, a gente tenta complicar demais! Um simples pacote de brinquedinhos, ja tranforma a mesa e satisfaz o desejo das criancas.

      Amo a sua corencia e que bom que deu tudo certo.

      Um beijo e obrigada por sempre acompanhar!

      Excluir
  3. Fofo e delicado ao cubo!=)
    Beijos!
    Marília

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A delicadeza faz bem aos olhos!

      Um beijo, Marilia!

      Excluir
  4. Respostas
    1. Achei a sua cara, como sempre! hahahahaahah

      Beijos!

      Excluir
  5. O problema é que, por incrível que pareça, muitas vezes fazer uma festa caseira sai quase pelo mesmo preço de fazer numa casa de festas, dessas que donos da festa vão como convidados sem ter trabalho algum. Infelizmente. Pelo menos aqui no Rio, de pequeno gasto em pequeno gasto, a soma total é enorme. A decoração da Parangole mesmo é caríssima. Homemade pra inglês ver.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Raquel, concordo PLENAMENTE com você. Festejar no Brasil, mesmo que a decoração seja simpléééérrima, é muuuuuito caro. Se você optar por comprar os hits do momento, como Parangolé, M&M´s personalizados, papelaria impressa em letterpress; o valor chega facilmente em alguns milhares de reais para pouquíssimos convidados. Eu consigo fazer festas baratíssimas, mas tem que ter criatividade e gostar muito da coisa toda. Por isso que nem coloco na fogueira quem opta por buffet infantil, sabe? Cada um sabe o sapato aperta, não é? Um beijo e obrigada por comentar! :*

      Excluir
  6. Adorei as fotos da festinha que vc postou. Simples e impecável.
    Achei interessante o assunto porque 3 semanas atrás eu fui a um aniversário (1 aninho) que com certeza custou mais que o meu casamento - que foi lindo, simples e os convidados (só familiares e amigos mais próximos) comentam até hoje. Pois então, o aniversário tinha brinquedos infláveis, monitores para fazer atividades com as crianças, um salão super decorado, docinhos temáticos, buffet infantil, pestiscos e bebidas incríveis, lembrancinhas como eu nunca vi igual. Mais à noite, quando eu achava que a festa estava acabando, eles começaram a servir o jantar completo, com várias opções a escolher. Tudo isso em um clube lindíssimo aqui de Curitiba. Sério, estava lindo. E eu sei o quanto a família estava curtindo o aniversário, sem afetações. A realidades deles é esta, só isso. O problema é se esta criança crescer com estes parâmetros. Se ela sempre precisar de coisas grandiosas para se satisfazer, ao invés de aproveitar as coisas mais simples e que podem ser tão gostosas de curtir. Acho que vou saber a resposta dentro de alguns anos.
    Como eu disse, a família é muito "pé no chão". Se eles têm uma boa condição financeira, não acho que devam se privar disso. Mas será que vão saber ensinar para a criança que ele não precisa ter sempre o melhor/maior/mais caro?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Debora, querida! Amei seu comentario!

      Na verdade, na hora de comemorar a festa dos pequenos, o que MENOS importa e' a decoracao, os valores gastos, a temperatura da bebida, a variedade de brinquedos. O que importa e' a crianca se sentir amada por todos, festejada. Qualquer evento e' um ensinamento que colocamos no coracao dos nossos pequenos, entao escolher festas grandiooooosas, financeiramente falando, talvez seja prejudicial porque nao somos donos do futuro. Eu AMO AO CUBO essa parabola:

      "22- O pai, porém, disse aos seus servos :

      Trazei depressa a melhor roupa, vesti-o, ponde-lhe um anel no dedo e sandálias nos pés;

      23- trazei também e matai o novilho cevado. Comamos e regozijemos-nos ;

      24-porque este meu filho estava morto e reviveu, estava perdido e foi achado. E começaram a regozijar-se

      25-Ora, o filho mais velho estivera no campo; e, quando voltava, ao aproximar-se da casa, ouviu a música e as danças.

      26- Chamou um dos criados e perguntou-lhe que era aquilo .

      27- E ele informou : veio teu irmão, e teu pai mandou matar o novilho cevado, porque o recuperou com saúde.

      28- Ele se indignou e não queria entrar, saindo, porém, o pai procurava conciliá-lo.

      29-Mas ele respondeu a seu pai. Há tantos anos que te sirvo sem jamais transgredir uma ordem tua, e nunca me deste um cabrito sequer para alegrar-me com os meus amigos;

      30-vindo, porém, esse teu filho, que desperdiçou os teus bens com meretrizes, tu mandaste matar para ele o novilho cevado

      31-Então, lhe respondeu o pai : Meu filho, tu sempre estás comigo; tudo o que é meu é teu."

      Tudo que e' meu e' teu. Isso e' profundo. No caso do irmao, que estava afastado da familia, a comemoracao era algo necessario porque o pai queria mostrar que, mesmo com o filho gastando toda a parte da heranca, ele ainda o amava muito e sem medida, sem apego ao dinheiro. Era uma comemoracao atipica, nao era todo o ano que acontecia isso na familia.

      Quando o outro irmao viu a comemoracao, questionou. E o pai disse que tudo e' dele. Esse filho estava ali o tempo todo, sendo amado todos os dias pela familia, e nao era necessario matar o novilho. Entao e' assim que penso, que talvez nao seja necessario matar o novilho todos os anos e nem para todos os filhos, mesmo tendo a presenca do animal no quintal.

      Ninguem precisa ter sempre o melhor, o mais caro. Ate porque, na minha opiniao, o melhor para crianca, dificilmente e' o que a sociedade considera de padrao superior.

      Um beijo, Debora. Amo seu blog! :*

      Excluir